16/05/2008

Desejos

Autor Luna "...meravigliosa creatura..."


São onze horas e cinquenta e cinco minutos da manhã do dia zero de um ano qualquer, tentei ligar no meu computador à internet, mas não foi possível devido à falta de energia do modem. Então abri uma página do Word, e rabisquei para aqui um pouco daquilo que gostaria de angariar em cada dia, em cada mês, em cada ano!

Futurar não é o meu forte, por isso devo dizer as coisas de uma maneira mais leve, pensadas de uma forma poética, acrescentadas em pilares oscilantes de letras rocambolescas sem a seriedade que nos fecha o semblante e nos remove a paz.

Fazer das palavras o sorriso dos lábios, acompanhado pelo licor das melodias, sentidas num alargar do coração, oferecido em palmas de sobriedade humana e descontraída, num arremessar de peito aberto ao momento de olhar para nós e ver o sossego da montra espelhada em solidariedade fiel e singular.

Fazer de nós o local do mais comum, onde as bocas secas acorrem para beber da nossa água não inquinada, sadia e descalcificada em soltas partículas refrescantes, e viver. Viver da vontade própria de ter alguém por perto soletrando os nossos passos, ancorando a sua presença içada nas refrescantes ondas da brisa que o vento nos aproxima.

Continuar a marcha numa aura fresca de tempo de espera já passado, em que os olhos de ontem não são os mesmos de hoje, isso fará dos corações o aproximado das vontades de usufruir da senha própria de abrir a mente à coerência da cor e restabelecer a pujança de estar vivo nas cordas do trapézio para o triplo salto da vida.

Chegar àquele lugar onde os contentores transportam a felicidade de ter sido, o tom colorido do objectivo, entrar pela sonda do radar e continuar, continuar este périplo pelos caminhos das diferenças exemplificado nas maiores das crenças da vida para além do nada.

E no acompanhar do projecto seguir na vanguarda do mesmo em salutar resolução do espaço, onde o corpo sente o que vai na terra e na “corrida” do momento, dar largas ao pensamento de debicar aqui e acolá bocados de alma escrita e reflectida na senda da sombra onde te quero ver e olhar de alto a baixo em simples momentos de lucidez.

Chorar os teus olhos e rir o teu encanto, num afrouxar de tensão rubricar a chama que aquece o semblante da fronte, alisada em lindas faces protegidas pelo elixir do miraculoso creme da eterna juventude.

Historiar um dois mil e…, acrescentado de anos sem número, fazendo a escapatória da estrada, entrar por lá dentro desafogando as imagens que nos fogem no sereno luar de noites em harmonia com o dia - e amar.

Revirar hora a hora a procura de entrar de alma nua pela rua, sem camuflagem de escorpião, subir às árvores das vontades alucinando verdades e mais verdades, numa escola de passos diários, reaprendendo a infância numa inocência imortal, na conquista do bem e na demolição do mal.

E aí seremos asas, seremos albergues, onde as mágoas se virão aquecer do frio, desfeitas no calor destas lareiras, onde se queimam os pecados, pesados de gelo, aqui derretidos pelo amor do luzeiro e desmembrados dos braços do medo.

Será aqui neste lugar sem nome, onde se aniquilará a fome, num trajecto de aves que sonham com um Céu ilimitado de ar, onde respiraram todas as nações, numa esfera sem poluição, dita terra do hemisfério, não só minha, não só tua à espera de quem lhe estenda a mão.

Este sonho, bem que poderia ser real, se todas as querenças deixassem de ser apenas desejos de alguns. Transformaríamos o clima do ácido em clave de Sol, aprenderíamos o Dó do sofrimento menor, e com o Ré remaríamos para a frente acompanhados pela boa gente, do Mi melodiosos seríamos aqui, do Fá faríamos renascer a vida aqui e Lá, com o Si seríamos existência intensa e assim os ruins transformar-se-iam em deliciosos aromas desencapados das suas sombras, teríamos todos o mesmo calor, o mesmo valor e viveríamos num Mundo melhor!

A flauta dava-nos toda a alternativa das notas, Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si, num entusiasmo harmonioso pela música, estaríamos aqui, bem dentro do nosso valor, e capacitados de todo o Amor converteríamos este Mundo em “Sol” Maior.


Foram leves estas palavras despidas de falsos e espinhentos cactos, e como a mensagem é esta; de suavidade dita no início do tema “os pilares são frágeis” mesmo assim foi apenas imaginação de boas sementes atiradas ao vento na espera que caiam na tua sementeira, para depois ser espigas desfolhadas por todos na nossa imensa eira.


*Todos os direitos reservados a Jorge Vieira Cardoso *

9 comentários:

Carlos disse...

«Foram leves estas palavras despidas de falsos e espinhentos cactos, e como a mensagem é esta; de suavidade dita no início do tema “os pilares são frágeis” mesmo assim foi apenas imaginação de boas sementes atiradas ao vento na espera que caiam na tua sementeira, para depois ser espigas desfolhadas por todos na nossa imensa eira.»

Ainda bem que o modem não teve energia nesse dia, pois nasceu uma obra magnífica,cheia de musicalidade onde as notas se fundem em sementes de esperança num misto de um prazer sublime...
muito bom, gostei bastante , senti uma vontade enorme de escrever nas suas letras, as minhas também...

Bravo,
um bom fim de semana

abraço

Margarete da Silva disse...

sento-me, pego na minha flauta e toco o mundo em Sol Maior.

amo tudo aquilo que escreves e isso faz de ti um dos meus escritores favoritos.

P.S. Quinta- feira lá estarei e provavelmente vou querer que me autografes o livro e escrevas algo no meu cadernito :P Sim?
Tenta reconhecer-me.
Beijo em ti*

SAM disse...

Lindo texto! Uma composição de palavras elevando suaves escalas de notas/ sentimentos, que ao vento espalham boas sementes. Este sonho bem podia ser real...


Ótimo fim de semana. Sucesso sempre!

Beijos

Betty Branco Martins disse...

querido__________Jorge






uma







autêntica maravilha








este texto








___________parabéns!













beijO____C_____carinhO

(Un)Hapiness disse...

um hino à vida...

gostei mt!

kiss :)

Rosa Maria Anselmo disse...

Olá Jorge
Fiquei muito feliz em receber o teu comentário. Espero que seja um sucesso o teu Livro " Nas Linhas das tuas mãos". Não sabia que tinhas feito o lançamento no dia 22 de Maio na Fnac, pois teria muito gosto em ter lá estado para partilhar contigo a tua alegria e felcidade.
Terei muito prazer em te conhecer no dia 7 de Junho pelas 16 horas, no Diana Bar, na Póvoa de Varzim (é mesmo pertinho da Casino), dia em que vou fazer o lançamento do meu Livro "Sinais do Silêncio", e assim podermos trocar e partilhar o mesmo gosto pela escrita.

Espero por ti!
beijinhos
Rosa Maria Anselmo

Carlos disse...

Olá Jorge,
Muito obrigado pelo seu comentário.
Fico-lhe muito agradecido pelo convite que me endereçou para estar presente no lançamento do seu livro.
Infelizmente por motivos profissionais não pude estar presente, mas, desde já ,desejo grande sucesso.
Força amigo, como é importante a partilha de estados de alma....

abraço,
bom fim de semana

Vitor Cardoso disse...

Estás para a escrita, como o Cristiano Ronaldo para o futebol, you are simple de best!!!
Um abraço do teu irmão Vitor.

sandra disse...

O meu blog é piscardeolhos-sandra.blogspot.com

Seguidores

Contagem de visitas

Music


MusicPlaylist